Não basta ser esteticista, é preciso ser esteticista paliativa

Parece superficial, fútil e desnecessária essa abordagem porém cores, amores, belezas e sonhos fazem parte do conjunto do enfrentamento da doença. Afinal esse é um luto que vivenciamos: a morte do que você imaginou ser, dos sonhos que imaginou concluir e da vida que desejou viver. Nessa fase, aquela que te encontra no espelho enquanto todos foram embora é uma nova versão do “eu” e aceitá-la parece dar abrigo a um desconhecido. Assim os dias rastejam em meio às incertezas com o novo sempre batendo na porta e a essência do que já foi controlável como a imagem ceifa a vontade da conversa com amigos, saída com parceiros, rotina de trabalho….

A força entra e não pede licença para transformar tudo ao redor e esse distanciamento da sua própria vida impacta negativamente no processo do tratamento. Além disso outras mudanças acontecem como efeito colateral ao tratamento que alteram o corpo (peso, hidratação, nutrição, sensações, enjoo, falta de apetite, fadiga, dor), pele (mais fina, alteração de coloração, sensibilidade, hematomas, feridas) e espiritual (dúvidas, culpa, questionamento de crenças). Então eis que surgem tratamentos complementares que enxergam o paciente como um todo, atuamos com cosméticos específicos para tratar a pele, utilizamos música, aromaterapia, cromoterapia e massagem, a fim de acrescentar vida aos dias. Estudos revelam que pacientes em tratamento oncológico com associação a massagem relaxante reduzem em 50% a intensidade da dor e melhoram o padrão respiratório e circulatório. Há quem acredite que a massagem está relacionada apenas a toques sobre a pele, que envolvem contato superficial dos tecidos; há quem acredite que a massagem seja amassar, pressionar. Contudo  há quem entenda que a massagem é a pura arte de encontrar em outro corpo uma alma frágil e forte como a sua, um guerreiro e um prisioneiro como você, um realista e sonhador como você.

A massagem atua tocando tecidos,  reeducando o sistema nervoso, ressignificando os hábitos de vida e a consciência corporal. A massagem atua nos corpos visíveis e nos invisíveis,  toca a alma e a drenagem linfática manual, além de reduzir o linfedema, causa de grande desconforto dos pacientes, fortalece o sistema imunológico promovendo saúde, conforto, qualidade de vida e bem estar.

#vamosPaliar

1 comentário em “Não basta ser esteticista, é preciso ser esteticista paliativa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *